Minha experiência com o low-poo

Quando decidi dar os passos iniciais em direção a uma vida com menos desperdício, umas das primeiras coisas que tentei foi a substituição do uso de shampoos e condicionadores tradicionais pelo método conhecido como low-poo (algo como “pouco shampoo”).

Os produtos de higiene pessoal disponíveis no mercado brasileiro têm todos aqueles problemas que já conhecemos – embalagens de plástico, ingredientes que poluem o meio ambiente e agridem a pele e os cabelos, muitos são testados em animais…

Há anos, eu já havia cortado marcas que não são cruelty-free da minha rotina capilar e, em 2015, parei de usar shampoos e condicionadores como o infame lauril sulfato de sódio, ou LSS, um poderoso detergente que tem o poder de aumentar a taxa de perda de água da pele e dos cabelos e, portanto, só atua piorando a condição dos fios que já são ressecados.

Não era à toa que, depois de alguns meses usando um mesmo par de shampoo e condicionador, percebia que o efeito inicial acabava e meus cabelos começavam a ficar pesados ou mais ressecados do que o normal – basicamente, o cabelo “viciava”, como dizemos comumente.

Para mim, começou a não fazer muito sentido usar um shampoo que ressecava o meu cabelo e, depois, ser obrigada a aplicar um condicionador apenas para compensar o dito ressecamento. Parece loucura, não?

Foi assim que eu comecei a usar os produtos de uma marca que não inclui o LSS em suas formulações. Ainda assim, meus cabelos continuavam ressecados nas pontas e pesados na raiz, e isso foi o empurrão que faltava para eu tentar o low-poo no final de 2015.

Como uma boa iniciante, parti logo para o método de low-poo mais popular, a combinação bicarbonato de sódio + vinagre. Substituí o shampoo normal por um de limpeza profunda, para tirar quaisquer resquícios de outros produtos (por incrível que pareça, esse shampoo não resseca NADA meu cabelo), e comecei a alternar com o bicarbonato para limpeza, e o vinagre para condicionamento.

Nas primeiras vezes, meu cabelo ficou uma palha mal-cheirosa e brilhante. Palha porque o bicarbonato ressecou muito os fios (mesmo eu tendo o cuidado de aplicar mais nas raízes do que nas pontas); mal-cheirosa e brilhante porque o vinagre, ao contrário do que vi propagandeado aos quatro cantos em sites de beleza natural, não condicionou meu cabelo – apenas deu a ele mais brilho – e, por mais que eu enxaguasse bem, o cheiro não saía dos fios por nada.

Continuei insistindo por mais algumas semanas, até perceber que não só o método não estava funcionando, como os meus cabelos estavam ficando piores do que quando eu usava apenas shampoo e condicionador tradicionais. Além disso, estava gastando quantidades muito maiores de água apenas para enxaguar os fios e tentar tirar o futum do vinagre (que é insuportável, diga-se).

Acabei voltando para a rotina antiga, mas continuei pesquisando em busca de uma alternativa sustentável que, de fato, fizesse bem aos meus fios. Cogitei apelar para outras soluções caseiras, mas não estava tão disposta a gastar ingredientes sem saber se, de fato, surtiriam o efeito desejado.

Foi daí que, no início deste ano, me rendi às maravilhas dos shampoos sólidos. Já conhecia essa alternativa, mas não tinha certeza se funcionaria bem no meu cabelo, que é rebelde, cacheado, um pouco fino, oleoso na raiz e ressecado nas pontas.

Em janeiro, comprei meu primeiro shampoo sólido de abacate e capim limão da Fefa Pimenta. No dia em que recebi a encomenda, compartilhei no Instagram o carinho com que o produto foi embalado e enviado, além do mimo extra que ganhei na forma de um mini-shampoo sólido de abacate e lavanda (no qual eu estava de olho, e que estava em falta na loja virtual da marca).

 

Ainda estou na fase de testes do shampoo sólido, que requer paciência na adaptação. Já percebi que meus cabelos ficaram mais soltos e domados, mas ainda preciso usar condicionador por conta do ressecamento natural dos meus fios. Minha empreitada, agora, é em busca de uma opção natural e sustentável para o condicionador comprado na farmácia. Aceito sugestões. 🙂

Advertisements

2 Comments Add yours

  1. Dayana says:

    Oi, tudo bem?
    Não sei se ainda esta a procura de condicionador, mas tenho uma (boa) dica. Descobri que Yamasterol além de não ter aquele monte de substância que faz mal ao cabelo não testa em animais e não tem nada de origem animal na fórmula. Serve de condicionador, creme pra pentear, hidratação, umectante… Uma bênção dos céus! Hahaha Comprei um vidrao de 900 ml por 15 e pouco, mas varia muito de lugar. Acho que pode servir pra você também! 😀
    Foi bom achar esse espaço e ver seu processo de mudanças.
    Te desejo um bom caminho
    Abraços ❤

    Like

    1. julianaalvim says:

      Oi Dayana, tudo bem? Obrigada por ter visitado o blog e deixado seu comentário. 😀 Quando eu era criança, usava Neutrox direto (que lembra um pouco o Yamasterol). Agora estou usando um condicionador da Surya Brasil e estou adorando. Ele é bem consistente e deixa os cabelos bem hidratados.

      Espero te ver mais vezes por aqui. Em breve terei novidades. 😀

      Bjs!

      Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s